Apresentação do Encontro Veja a programação do Encontro Conheça os artistas Confira as Rodas de Prosa Feira de Oportunidades Sustentáveis Oficinas ministradas durante o Encontro Mostra de Cinema Petrobras Diário de São Jorge Material para imprensa Ficha Técnica do Encontro Entre em contato
 

18/07/2007 19:44
Opereta popular
A natureza desconfiada

por Alexandre Rissate, da Agência de Notícias Cavaleiro de Jorge

A Opereta Popular de São Jorge, formada por crianças e adolescentes de São Jorge e Alto Paraíso, apresenta, nesta edição do Encontro de Culturas Tradicionais da Chapada dos Veadeiros a opereta Sonhos Verdes, coordenada pela arte-educadora Doroty Marques. A opereta mostra a aventura de Brasilino, um sem-terra humilde, que entra em uma luta contra a fome do mundo. Com o grande colapso climático do mundo, as sementes se tornaram estéreis, impossibilitando o plantio e aumentando a fome da população mundial.

Doroty brinca com realidade e fantasia, e mistura os problemas sociais com a água e ventos falantes. O herói entra na selva à procura da semente natural, e encontrará a natureza que desacredita os humanos, e que tem medo de mais devastação. Sua honestidade será avaliada e, caso passe no teste, a natureza o ajudará a salvar a humanidade.

Na busca pela semente, Brasilino vai encontrar o vento, momento em que descobre que a falta de sementes é geral. Ele encontrará também guardiões das águas, cristais e os índios Avá-canoeiros, que o iluminarão pelo caminho para encontrar a semente com os índios Krahô.

Doroty faz um círculo na história do Brasil. O homem branco encontra com o índio como no descobrimento e propõe uma nova relação. Desta vez não há mortes, e o branco aprende como preservar a natureza para não morrer de fome, fazendo um mundo diferente.

A opereta tem 13 atos e 45 minutos de duração. Em cada ato, Brasilino se encontra com um personagem diferente. A única manifestação que não é brasileira é a diablada, uma tradição de origem latina. "A nossa diablada é boa, são diabos que defendem a natureza e botam para quebrar" diverte-se Doroty. 

No palco, crianças e adolescentes do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil - PETI de Alto Paraíso, músicos adolescentes, mães cantando no coral e a participação de Dércio Marques, irmão de Doroty, e do violeiro Noel Andrade. No total, 100 integrantes compõem a opereta. A turma ajudou a fabricar a maioria dos instrumentos, usando árvores mortas e couro de boi a construção dos tambores.

A Opereta faz parte do projeto Turista Aprendiz, patrocinado pelo Programa Petrobras Cultural. A  idade mínima para participar é 4 anos. "Se arrasar, entra na ópera. Artista tem que agradar todo mundo, e os meninos fazem isso!" afirma Doroty.

A Diablada

Entre as danças típicas da Bolívia, uma das mais famosas é a Diablada, representada pela figura do diabo que acaba derrotado pelo Bem e é conduzido até o altar da Virgem do Socavão (Oruro) para pedir perdão de joelhos. A dança empolga pela beleza do traje e bordado e faz com que as pessoas vejam mais diversão nisso do que propriamente a maldade que ele estaria representando. O homem usa uma máscara e capa com diversos enfeites de dragões e cobras para dar um aspecto macabro, e a mulher usa uma saia bordada e com muita pedraria e lenços coloridos.

enviar por e-mail | imprimir
topo da página | mais notícias

26/05/2009 - IX Encontro de Culturas
Vem aí o IX Encontro de Culturas Tradicionais da Chapada dos Veadeiros

02/08/2008 - Encontro
Zambiapunga e Turma que Faz celebram o fim do VIII Encontro de Culturas Tradicionais

02/08/2008 - Arcoverde na Chapada
"É só tocar um pouco de Fogo que a explosão ocorre”

01/08/2008 - Entrevista
“Incelente Maravilha”

01/08/2008 - Show
Música caipira faz as honras da casa



Arte popular entre o sagrado e o profano


Programe agora sua viagem para São Jorge. Encontre as pousadas, campings e restaurantes da Vila.